Deleuze de costas e de frente | por Jean-Pierre Faye

Por: Jean-Pierre Faye | Trad.: Rodrigo Lucheta   “Cada combinação frágil é uma potência de vida que se afirma”. É o enigma deleuzeano, aquele do filósofo “sem pulmões” – mas que fôlego... Penso em sua definição, ou antes em seu retrato de Nietzsche: “grand vivant de saúde frágil”. Ele mesmo cita a descrição nietzscheana: “O … Continue lendo Deleuze de costas e de frente | por Jean-Pierre Faye

Deleuze milenar, ou Para além do túmulo.

“A dobra exprime o jogo de uma vida, ou de uma criança, ou de uma obra ao longo da crista ou da costura da imanência, dos “rincões de imanência” (...). Do mesmo modo, Deleuze diz a Parnet n’O Abecedário que a criação funciona fundamentalmente como um modo de resistência. Ele cita Primo Levi a fim de sugerir que o artista é aquele que libera uma vida, uma vida potente, uma vida mais que pessoal, e não somente sua vida (“R” de Resistência). Ora, à objeção de Parnet sobre o suicídio de Levi, indicando que a arte talvez não seja suficiente para realizar tal liberação, Deleuze responde com rigor que sim, Levi suicidou-se “pessoalmente”, incapaz de carregar o fardo de sua vida pessoal; mas as palavras e as obras de Primo Levi restam todavia como aquilo que Deleuze chama de “resistências eternas”, impessoais, para além da instância dos acontecimentos pessoais”.

O método de dramatização (1967), por Gilles Deleuze

Sob a organização, assim como sob a especificação, encontramos tão-somente dinamismos espaço-temporais: isto é, agitações de espaço, buracos de tempo, puras sínteses de velocidades, de direções e de ritmos. Então, as características mais gerais de ramificação, de ordem e de classe, e até as características genéricas e específicas, já dependem de tais dinamismos ou de tais direções de desenvolvimento. E, simultaneamente, sob os fenômenos partitivos da divisão celular, encontram-se ainda instâncias dinâmicas, migrações celulares, dobramentos, invaginações, estiramentos que constituem uma “dinâmica do ovo”. A esse respeito, o mundo inteiro é um ovo.

“Não somos pessoas, somos acontecimentos” | Aula de Gilles Deleuze

Aula de 03 de junho de 1980 no Centro Universitário de Vincennes. Trecho da aula: “…o segredo da individuação não é a pessoa, pois que a verdadeira individuação é aquela dos acontecimentos. É uma ideia estranha. Vocês me dirão: o que é que se justifica? Demos um salto. Sim, para onde você vai? Isso diz … Continue lendo “Não somos pessoas, somos acontecimentos” | Aula de Gilles Deleuze

Gilles Deleuze: Duas questões sobre a droga.

por Gilles Deleuze | Trad.: Guilherme Ivo São apenas duas questões. Vê-se muito bem que não se sabe o que fazer com as drogas (mesmo os drogados), mas também não se sabe como falar delas. Ora se invocam prazeres, difíceis de descrever e que já supõem a droga. Ora, ao contrário, invocam-se, causalidades demasiadamente gerais, extrínsecas … Continue lendo Gilles Deleuze: Duas questões sobre a droga.

Os engajamentos políticos de Gilles Deleuze, por François Dosse

Os Engajamentos Políticos de Gilles Deleuze[i] por François Dosse[ii] | Trad.: Germaine Mandelsaft O horizonte político, no sentido amplo do termo, atravessa o pensamento de Gilles Deleuze e seu trajeto intelectual é pontuado por engajamentos. No entanto, sua posição difere daquela do intelectual engajado, porta-voz da justiça, frente à razão de Estado, à maneira de Sartre, durante … Continue lendo Os engajamentos políticos de Gilles Deleuze, por François Dosse

Nietzsche-Deleuze: Estranhos ensinamentos

Por Mónica Cragnolini | Trad.: Sandra Corazza e Tomaz Tadeu.   Em um texto já clássico, apresentado no colóquio de Cerisy-La-Salle de 1972 sobre Nietzsche – que constituiu um balanço do renascimento dos estudos nietzschianos na França –, Deleuze indaga o motivo pelo qual não existe uma “escola” nietzschiana (Deleuze, 1985). Se considerarmos a tríade … Continue lendo Nietzsche-Deleuze: Estranhos ensinamentos

Palestra de Gilles Deleuze: “O que é o ato de criação?”

Palestra de Gilles Deleuze proferida em março de 1987. A comunicação trata da natureza da ideia em suas diferentes possibilidades de expressão, notadamente, aqui, na filosofia, na literatura e no cinema. O video foi legendado em português e pontuado de trechos de filmes cujos diretores Deleuze menciona no decorrer da comunicação.   https://dailymotion.com/video/x1dlfsr Gilles Deleuze … Continue lendo Palestra de Gilles Deleuze: “O que é o ato de criação?”

Dobra deleuzeana do pensamento, por Jean-Luc Nancy

Por Jean-Luc Nancy | Trad.: Maria Cristina Franco Ferraz Mais do que uma filosofia de Deleuze, situada em algum lugar no panorama ou na episteme da época, haveria uma dobra deleuzeana do pensamento: uma marca, um exercício, um habitus (certamente não um hábito) que não se evitaria de partilhar mais ou menos com esse pensamento, pelo … Continue lendo Dobra deleuzeana do pensamento, por Jean-Luc Nancy

Julio Bressane: Cinema Deleuze

Cinema Deleuze “As conchas são os ossos do oceano, disperso esqueleto, desvago”, escreve Guimarães Rosa em “Aquário”, estamos em maio de 1954, é minha travessia na água-viva, sorvo e inflamo Deleuze como flor colhida num sonho, Jerônimo lutador no deserto, argonauta do trans e observador do des (o temível prefixo que transtorna o radical!), passageiro … Continue lendo Julio Bressane: Cinema Deleuze

Conversações: Luiz Orlandi e Gilles Deleuze

Transcrição do áudio de conversa de Luiz Orlandi e Gilles Deleuze, com participação de Gérard Lebrun, Jean François Lyotard, Marilena Chauí e Arnaud Vilani.   ORLANDI – As conversações que o senhor manteve com Claire Parnet, seja por escrito ou em falas adensadas por imagens, como as do Abecedário , é que me inspiraram a solicitar este … Continue lendo Conversações: Luiz Orlandi e Gilles Deleuze

Deleuze e a Questão da Literalidade | Por François Zourabichvili

Por: François Zourabichvili | Trad.: Sandra Corazza & Tomaz Tadeu DELEUZE E A QUESTÃO DA LITERALIDADE RESUMO: Podemos organizar uma teoria de ensino a partir da obra e da prática pedagógica de Gilles Deleuze em torno de três temas: 1. A aula tem a ver com o que buscamos e não com o que sabemos. 2. Não sabemos … Continue lendo Deleuze e a Questão da Literalidade | Por François Zourabichvili

Gilles Deleuze: Carta a um crítico severo

Por Gilles Deleuze | Trad.:  Peter Pál Pelbart Carta a um crítico severo Você é encantador, inteligente, malevolente, quase ruim. Mais um esforço… afinal, a carta que você me manda, invocando ora o que se diz, ora o que você mesmo pensa, e os dois misturados, é uma espécie de júbilo pela minha suposta infelicidade. Por um lado, … Continue lendo Gilles Deleuze: Carta a um crítico severo

Três cartas de Henri Bergson para Gilles Deleuze

Por Henri Bergson | Trad.: Rodrigo Lucheta Uma primeira versão destas cartas foi lida em 2005, no Centro Georges Pompidou, na ocasião de uma noite em homenagem a Gilles Deleuze. O que segue retoma o texto publicado na revista Critique, nº 732, de maio de 2008. Contando com sua sagacidade, deixamos ao leitor o cuidado de julgar … Continue lendo Três cartas de Henri Bergson para Gilles Deleuze