Experimentação, Filosofia, História, Política, Semiologia

“Fuck”, “Sex”, “Tech” e “Gênero”: quando a América afunda.

"(...) Com “cis-gênero” as coisas se embaralham: uns dizem que a pessoa cis gênero é aquela que aceita o sexo que lhe destinou o nascimento; outras dizem que é aquele que aceita o gênero destinado no nascimento; outras que são “os indivíduos dos quais o gênero de nascimento, o corpo e a identidade pessoal coincidem” (entenda quem puder); outras falam de cissexual para descrever “as pessoas que não são transsexuais e que sempre conceberam seus sexos físico e mental alinhados”. Enfim, ser cis gênero é ser singularmente demarcado, sexista, normativo e normalizado. E será ainda mais se se insurgir contra a ideia (aberrante de um ponto de vista biológico) de que o sexo possa ser “destinado” no nascimento, e se se persiste em pensar – é o meu caso – que o sexo é constatado no nascimento, da mesma maneira que constatamos que o recém-nascido tem dois olhos, um nariz, etc.".

Filosofia, Política, Semiologia

Pergunta e resposta | por Elias Canetti

Toda pergunta é uma intromissão. Onde ela é aplicada como um instrumento de poder, a pergunta corta feito faca a carne do interrogado. Sabe-se de antemão o que se pode descobrir, mas quer-se descobri-lo e tocá-lo de fato. Com a segurança de um cirurgião, o inquiridor precipita-se sobre os órgãos do interrogado. Esse cirurgião mantém viva sua vítima para saber mais sobre ela. É uma espécie particular de cirurgião, que atua provocando deliberadamente a dor em certos pontos; estimula certas porções da vítima para saber de outras com maior segurança.

Arte, Experimentação, Semiologia

Jean-Luc Godard: Aprendisagem do Descontínuo

por Ruy Gardnier Jean-Luc Godard: Aprendisagem do Descontínuo A nuca de Jean Seberg. Ou de Patricia Franchini, pois é ela a personagem, filmada de trás, flagrada no assento do carona de um conversível passeando pelas ruas de Paris. Enquanto ela conversa com o namorado-motorista, que permanece fora de quadro, a imagem salta diversas vezes, cortando… Continuar lendo Jean-Luc Godard: Aprendisagem do Descontínuo

Filosofia, Semiologia

“Não somos pessoas, somos acontecimentos” | Aula de Gilles Deleuze

Aula de 03 de junho de 1980 no Centro Universitário de Vincennes. Trecho da aula: “…o segredo da individuação não é a pessoa, pois que a verdadeira individuação é aquela dos acontecimentos. É uma ideia estranha. Vocês me dirão: o que é que se justifica? Demos um salto. Sim, para onde você vai? Isso diz… Continuar lendo “Não somos pessoas, somos acontecimentos” | Aula de Gilles Deleuze

Filosofia, Política, Semiologia

Gilles Deleuze: “Dois Regimes de Loucos”

Por Gilles Deleuze | Trad.: Guilherme Ivo 1. Indagamos hoje não qual a natureza do poder, mas antes, assim como Foucault, como ele se exerce, em que lugar se forma e por que ele está em toda parte. Comecemos por um pequeníssimo exemplo, o titeriteiro. Ele tem um certo poder de agir sobre as marionetes… Continuar lendo Gilles Deleuze: “Dois Regimes de Loucos”

Filosofia, Semiologia

Deleuze e a Questão da Literalidade | Por François Zourabichvili

Por: François Zourabichvili | Trad.: Sandra Corazza & Tomaz Tadeu DELEUZE E A QUESTÃO DA LITERALIDADE RESUMO: Podemos organizar uma teoria de ensino a partir da obra e da prática pedagógica de Gilles Deleuze em torno de três temas: 1. A aula tem a ver com o que buscamos e não com o que sabemos. 2. Não sabemos… Continuar lendo Deleuze e a Questão da Literalidade | Por François Zourabichvili

Arte, Experimentação, Filosofia, Semiologia

Um CD em homenagem a Gilles Deleuze

 "Gilles Deleuze - Gilles Deleuze" - 1ª Faixa do CD "In Memoriam: Gilles Deleuze" "Happy Deterritorializations - Wehowsky / Wollscheid" - do CD "In Memoriam: Gilles Deleuze" "And Line - Kerosene" - do CD "In Memoriam: Gilles Deleuze" "Gigantic Tautological Machiner - Christian Vogel" - do CD "In Memoriam: Gilles Deleuze"