Baruch Spinoza, por Franz Wulfhagen, em 1664

BARUCH SPINOZA

Ocidente a janela em bruma de ouro

A luz evoca. Assíduo, o manuscrito

Já prenhe de infinito a hora aguarda.

Alguém nesta penumbra a Deus constrói,

Um homem Deus engendra. É um judeu

De tristes olhos e cítrea pele.

O tempo o leva como leva um rio

A folha que nas águas vai descendo.

Não importa porém; com delicada

Geometria insiste o feiticeiro

E a Deus cinzela; da doença parte

Para além do que dele só é nada.

A Deus vai erigindo com palavras,

O mais pródigo amor lhe foi doado,

Amor que não espera ser amado.

 

(Jorge Luis Borges)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s